Porto Velho,
Rss Canal YouTube Facebook Twitter

Vinício Carrilho

Dr. Vinício Carrilho Martinez. Professor da Universidade Federal de Rondônia/UFRO Departamento de Ciências Jurídicas - E-mail: prof.vinicio@ig.com.br

Meu Deus, Meu Deus, está extinta a Escravidão? - Por Vinício Martinez

13/02/2018 - [15:58] - Opinião

Meu Deus, Meu Deus, está extinta a Escravidão?

É claro que não, a Ética só existe no carnaval!

 

            A Escola de Samba Paraíso do Tuiuti, na Sapucaí de 2018, fez mais pelo direito e pela dignidade humana do que os tribunais brasileiros, fiéis serventes do Executivo que aniquila os direitos fundamentais. O enredo – “Meu Deus, meu Deus, está extinta a escravidão?” – nos ensinou a não-temer.

Mesmo sem ter onde morar, a maioria dos passistas – que vivem com Bolsa Família – não tem direito à ajuda paletó e muito menos auxílio moradia. Mas deram uma lição de Ética que irá perdurar, retumbar na memória da cultura brasileira por décadas (no mínimo). No enredo do golpe, o samba desafinou o silêncio institucional que vigora desde 2016.

Quando vemos uma escola de Samba como Paraíso do Tuiuti, na Sapucaí que já imortalizou Joãozinho Trinta, desfilar toda a ironia reprimida, como quem revela a dialética de superação que está afogada no coração do povo brasileiro, esta ideia de Ética nos permite pensar que “o sonho não acabou”; que canta mais alto quem pulsa (e pula) com a verdade; que não há medo onde a criatividade reanima o desânimo da opressão e da barbárie; que a criatividade pode sim ser a marca germinativa da nossa cultura, desde que o jeitinho brasileiro não engolfe em mentira o que nos faria somente o bem.

Esta lição, que entornou o caldo do turismo econômico predatório em que se tornou o carnaval nacional, foi cantada e estilizada por Joãozinho Trinta e sua espetacular Beija Flor. “Ratos e Urubus, Larguem Minha Fantasia", de 1989, traria um Cristo-mendigo coberto pela censura do Judiciário a mando do piegismo católico.

Porém, o lixo a que o povo brasileiro sempre esteve destinado em sua história de opressão revelaria o luxo da inteligência e da criatividade popular. Tanto lá quanto cá o mesmo cenário, com algozes renitentes ou renovados, os mesmos desafios e obstáculos à concretização da condição humana.

Lá atrás, o golpe midiático que elevou Collor do pó às urnas (depois ao pó do ostracismo, de novo), no presente o golpe institucional que se prolonga na reinvenção do Mito de Vlad: a política temerária se transmuta em vampiro jocoso.

A ironia jocosa, por sua vez, talvez a mais curiosa possível, obrigou a Rede Globo exibir seus tentáculos de manipulação: nas casas dos nacionais, em 2016, e na Sapucaí em ovação, em 2018.

Nosso país é assim, eles dão um golpe soletrado em mesóclises e nós fazemos samba-enredo.

Se esse país não existisse teria de ser inventado, com urgência, até o carnaval de 2019. 

Vinício Carrilho Martinez (Pós-Doutor em Ciência Política)

Professor Associado da Universidade Federal de São Carlos – UFSCar

Departamento de Educação- Ded/CECH


Comentários

Preencha o formulário abaixo e clique em "Comentar" para enviar seu comentário


ComentÁrios Facebook


Mais Notícias

E-mail: redacao@gentedeopiniao.com.br - gentedeopiniao@gmail.com

Diretor Comercial Luiz Carlos Ferreira - Jornalista Responsavél Luka Ribeiro

Telefone: (69) 3221 4532 e (69) 3221 4532

Endereço: Av Getulio Vargas 2086 - Sala Comercial 5 , Bairro: Nossa Senhora das Graças - CEP: 76804-114

Cidade/Estado: Porto Velho/RO

É autorizada a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação,
eletrônico ou impresso, informando a fonte em nome de Gente de Opinião

Gente de Opinião | Copyright © 2018 | Todos os direitos reservados