Porto Velho (RO) sexta-feira, 5 de junho de 2020
×
Gente de Opinião

Serpa do Amaral

Nós vamos invadir sua praia!

O Filme Karipuna Praia do Futuro foi selecionado para Festival na Índia.


Nós vamos invadir sua praia! - Gente de Opinião
Sintético e instigante, eloquente e politizado, o curta Praia do Futuro, filme produzido em terras rondonienses por Joeser Alvarez e sua equipe, será mostrado no Festival Internacional de Curta-metragem do NexGN 2019, na Índia de Mahatma Gandhi, por especial seleção e indicação
.

Reza a lenda que o Brasil colonial, natureba, indígena e ágrafo saltou para o mundo das ideias grafadas com o jesuíta José de Anchieta escrevendo uma peça poética numa linda praia brasileira do século XVI. Era um poema de louvor à Virgem Maria.

 

À moda de Anchieta, as lentes de Joeser Álvarez e Ariana Boaventura voltam-se para as areias  bucólicas da costa brasileira para escrever, mais que um louvor à mãe de Deus feito homem, a narrativa pulsante de um tratado panorâmico e dialético sobre as grande temáticas civilizatórias, oscilando o pêndulo de Foucaut entre esperança e a desconstrução provocada pelo ufanismo político reacionário, colocando-se a abordagem cinéfila como deliberado e contundente libelo acusatório das miragens e falácias de inscrições que permeiam a praia do sonho tupiniquim por dias melhores para todos e todas!

 

Por ironia do destino, o filme rondoniense vai para a Índia, para onde deveriam ter ido os navegantes portugueses que por aqui deitaram âncora e colonizaram a terra. E já que eles não foram, vai Joeser levando a tiracolo a produção Praia do Futuro, 519 anos depois de um certo Pedro Álvarez, seu possível parente distante, ter fincado raízes nos sertões dos Tupinambás e Guajajaras.

 

A mente hindu, uma das mais velhas do mundo, com cerca de 10 mil anos de existência, vai se deliciar com o colorido urucum sangrento das ondas bailarinas quebrando por sobre a areia, onde, logo de cara, vê-se a inscrição "Amazônia", em meio ao degradê do verde para o vermelho carmim! 

 

E tem início, assim, um discurso cinematográfico que mais parece o balanço incessante da Pororoca de Utopias, construindo sonhos e ideais, e da Distopia, destruindo temáticas e projeções sociais tão reclamadas pelo povo brasileiro. A tensão entre os dois vetores contraditórios, ao calor das águas avermelhadas como o sangue que vem jorrando dos povos indígenas, por alguns segundos, gera na gente a sensação de que - desculpem os otimistas - esta nação está atolada até o último fio de cabelo numa circunstancial e dramática sinuca de bico. Com a peça cinemática debaixo do braço, Joeser vai mostrar ao mundo o movimento de vida e morte das temáticas sociais na trajetória de uma civilização que os lusitanos construíram por aqui e que por lá não apareceram para dar notícias, como se a história nacional fosse um grande erro de português, nada gramatical. No bojo do banzeiro que filmou, o ex-garimpeiro e agora diretor de cinema expressa, no plano único que escolheu, a peleja entre as luzes do iluminismo contemporâneo e as trevas medievalescas do momento líquido presente, retratando com muita criatividade a luta dos contrários num cenário cuja a paisagem encarna, por si mesma, a própria consubstanciação da dialética, que é o vai e vem das águas revoltas por sobre a areia da praia.

 

Ante à erupção de raios e relâmpagos que explodem no horizonte simbológico da História, configurando a possibilidade de não termos futuro algum nessa praia das províncias de Rio Negro, Grão-Pará e Maranhão, restam as pegadas deixadas no solo pacto, à beira mar, onde tudo começou em 1.500, simbolizando talvez que não há caminho pronto e acabado para o caminhante, e que, sem medo de ser feliz, o povo brasileiro terá que construir seu próprio caminho ao caminhar!

 

As inscrições de José de Anchieta foram deletadas pelas águas do mar. As inscrições feitas na Praia do Futuro são indeléveis e imunes à corrosão do tempo, creio, posto estarem grafadas no coração e nas mentes de todos aqueles que não arredam o pé do direito de sonhar mais um sonho impossível! O futuro é pra ontem!!! Nós vamos invadir sua praia!!

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Serpa do Amaral

Os Trapezistas do Circo da Fuleragem Assaltaram o Mercado Cultural

Os Trapezistas do Circo da Fuleragem Assaltaram o Mercado Cultural

O bafo sonoro do berimbau de lata repercutiu azedo e cativante ao mesmo tempo, enquanto Dom Lauro verbalizava um canto tribal, tomando para si o cocar

Manifesto de repúdio ao índex rondoniense

Manifesto de repúdio ao índex rondoniense

“No fundo do mato-virgem nasceu Macunaíma, herói de nossa gente”.

Governo de Rondônia revive a Idade Média e cria Index de livros banidos

Governo de Rondônia revive a Idade Média e cria Index de livros banidos

Arvorando-se Papa da Idade Média, o secretário de Educação do Governo de Rondônia, Suamy Vivecananda Lacerda de Abreu, teria enviado para as agências

Os pecados são todos meus!

Os pecados são todos meus!

Pra início de conversa, não existe pecado do lado, debaixo, do Equador!