Porto Velho (RO) sábado, 6 de junho de 2020
×
Gente de Opinião

Hugo Evangelista

COISA DE ESCREVINHADOR


 

Hugo Evangelista da Silva*

“Cada pessoa que passa em nossa vida, passa sozinha, é porque cada pessoa é única e nenhuma substitui a outra! Cada pessoa que passa em nossa vida passa sozinha e não nos deixa só porque deixa um pouco de si e leva um pouquinho de nós. Essa é a mais bela responsabilidade da vida e a prova de que as pessoas não se encontram por acaso”.

Anônimo.

Iniciava o curso de direito – que fiz na Universidade do Amazonas, hoje UFAM – quando ao chegar, depois das aulas, à casa de minha tia – onde morava – recebi dela um bilhete, informando-me ter sido deixado “por uma ‘senhora’ que se dissera minha amiga”. No bilhete fora escrito: “Estou na cidade e gostaria muito de falar com vc! Ligue para mim, amanhã”! Liguei no dia seguinte e fiquei sabendo que a tal “senhora”, por conta de um novo emprego, passara a residir, também, em Manaus. Ao fim do telefonema marcamos um almoço para o sábado seguinte. “Lá te contarei tudo em minucias” – disse-me!

Durante o almoço soube das razões de sua mudança e prestei-lhe as informações que pediu: falei do meu novo lar, do meu novo trabalho, de minhas saudades e, mais demoradamente, do meu curso. Depois, decidimos ir até sua casa. Lá, em meio a tantas conversas, sugeriu que enquanto fossem poucas as nossas amizades, poderíamos nos vê com frequência. “Poderemos juntos descobrir as belezas da cidade e participar de seus eventos” – disse-me. E acrescentou: “Assim, nossas saudades serão mais suportáveis!“ Depois, para minha surpresa, falou: “Posso dispor de um dos quartos da casa para que vc o ocupe nos finais de semana!” Diante disso, fiz o que entendia mais apropriado: Aceitei!

No passar dos meses que se seguiam – quatro ou cinco – tornava-se mais evidente para nós o prazer daquela convivência, enquanto crescia dentro de mim a necessidade de tê-la sempre mais próxima. Passei, por isso, a telefonar-lhe com mais frequência. Ela administrava, com indizível prudência, os eventuais excessos de minhas impetuosidades. Os encontros, por sua vontade, mantiveram-se restritos aos finais de semanas, começando nas noites das sextas-feiras, quando encerrada a minha semana de aulas, prolongando-se até as manhãs das segundas-feiras, quando saíamos para irmos aos nossos trabalhos.

Conclui meu primeiro período de estudos com absoluto êxito! Dei essa notícia a minha amiga tão logo cheguei à sua casa, ao final da semana e do semestre, recebendo, por isso, afagos elogiosos. Abraçamo-nos pelo triunfo e, assim, ficamos a nos beijar repetidas e demoradas vezes, numa intercalação intuitiva: ela me beijando primeiro e eu beijando-a em seguida, ao mesmo tempo em que alternava os lados de sua face. De repente – não mais que de repente – resolvi beijar-lhe a boca ao que – para minha surpresa – ela não recusou. Beijamo-nos mais! E mais! E, mais! Só instantes mais tarde, dominada minha ousadia e refreado o seu entusiasmo, ela encarou-me com um olhar interrogativo, entre séria e espantada, e perguntou-me: “Quê que é isso, garoto”? E eu, a imitar o guerrilheiro do livro do Gabeira, respondi-lhe: “Isso é só um beijo, Maria”!

Aquela minha resposta lhe fora dada na vã pretensão de restituir-lhe o sorriso que ainda há pouco via estampado em seu rosto, entretanto ela continuara séria mantendo o olhar inquisitorial que a mim dirigia! Percebi que o melhor a fazer seria aquietar-me no canto do sofá e esperar para ouvir o que ela teria para me dizer. O silêncio manteve-se por um tempo que me parecera uma eternidade! Ficamos, assim, cabisbaixos, imóveis, mudos, quase sem fôlegos! Quando refeita do susto, disse-me: “Está na hora de nos recolhermos”! Levantou-se, e dirigindo-se para seu quarto, quiçá por ironia, desejou-me: “Boa noite”! Sabíamos que aquela iria ser uma péssima noite: para mim e para ela. Dormi mal e acordei cedo. Quando decidi levantar encontrei-a “arrumada”, exibindo o mesmo traje elegante que costumava usar ao ir-se para o trabalho. Olhei-a com um olhar interrogativo e ela, a atender minha indagação, mentiu-me: “Terei, daqui a pouco, uma reunião na empresa! Quero que vá para sua casa”! E, mais: “Telefonarei para vc ao meio da semana!”

Fui para casa muito a contragosto! Naquele momento de raiva jurei a mim mesmo que não voltaria nunca mais àquela casa. “Afinal, quem ela estava pensando que era?” – disse de mim para mim. Contudo, à medida que a semana avançava fui revendo minhas juras. Considerava, agora, que se ela telefonasse, atenderia. Que se me pedisse que fosse à sua casa, acabaria indo. Que se me perguntasse, dar-lhe-ia o tamanho de minha paixão! O telefonema prometido aconteceu na sexta-feira. Limitou-se a dizer-me: “Preciso conversar com vc. Vá hoje a minha casa. Leve roupa de banho para cairmos na piscina”. Cheguei na hora aprazada! Na piscina, depois de alguns mergulhos, tentei abraça-la. Ela impediu-me com delicadeza e, depois, me falou: “Esquece o que aconteceu no final de semana”. De novo a raiva: “Se era só para dizer isso porque vc não me disse ao telefone?” – perguntei-lhe com rispidez. “Que garotinho atrevido vc está me saindo. Devagar comigo, mocinho!” – observou. Reconheci que tinha sido grosseiro e não demorei a desculpar-me. “Vamos subir?” – propôs em seguida. Lá em cima fomos aos “nossos” quartos e trocamos de roupas. Quando deixei o quarto ela já me esperava, sentada à varanda da casa. Sentei-me a seu lado, pus meu braço em seu ombro e, em tom suave, perguntei-lhe: “Por que”?

A cena que se seguiria, ao tempo em que fiquei ao seu lado foi para mim, inesquecível! Com a voz embargada e olhos lacrimejando ela tomou da minha mão, e disse: “Querido, não sabes quanto tenho pensado em nós desde o instante em que incorremos naquela loucura. Onde já se viu uma mulher na minha idade se portar de maneira tão inconveniente, aproveitando-se de um garoto com idade para ser seu filho?” – disse-me. “Não exagere” – pedi. “Gosto muito de vc e quero casar contigo!” – disse-lhe. “Vc enlouqueceu de vez” – garantiu. “A diferença de idade que há entre nós não é tão grande assim: são somente treze anos!” – insisti. Ela, muito séria, disse: “Não lhe parece muito? Pois então analise comigo” – convidou-me – “Até que vc conclua seu curso, obtenha sua habilitação junto a OAB, se instale em seu escritório e forme sua clientela, ainda não terás chegado aos seus trinta anos, quanto a mim já vou ter ultrapassado os meus quarenta anos, e então já estarei vivendo o risco de ser trocada por duas moçoilas de vinte anos” – sorrimos! “Gosto muito de vc, Querida”! – reiterei. “Esse é o nosso maior problema”! – afirmou – “Eu também gosto muito de vc”! “Aprecio a tua dedicação aos estudos, a tua determinação e o teu apego às mais variadas formas de manifestações culturais, e é por isso, que temos que nos afastarmos para que não aconteça o inevitável”! “Não podemos insistir em tamanha loucura”! – insistiu. “Depois, não quero ser processada por seus pais sendo acusada por sedução de menores”. Nesse instante, desisti! “Tenho que ir para minha casa”? – perguntei-lhe. “Não”! – respondeu – “Pode dormir aqui”! “Na minha ou na sua cama”! - quis saber. Ela sorriu e não me respondeu. Recolhi-me e fiquei rolando na cama por horas. Já era noite avançada quando ouvi bater à porta. “Posso entrar”? – perguntou-me. “Sim”! – respondi-lhe. Entrou. Sentou à beira da cama e perguntou-me: “Ainda estás muito zangado comigo”? “Não” – respondi. “Sabes, estive pensando até agora sobre nós”! “E, se tudo é mesmo inevitável, como penso, é melhor que comecemos isso logo”! – “Não achas”? Antes que eu falasse alguma coisa, impediu-me com um demorado beijo, para, depois, dizer-me bem baixinho: “Gosto, também, muito de vc, Querido!”

Na manhã seguinte, ao levantar, encontrei-a na sala do jantar arrumando a mesa onde serviria o nosso “petit-déjeuner”. Parecia destituída do horrível preconceito que antes a incomodava. Sentemo-nos e começamos a nos servir! Ficamos calados por breve tempo até quando ela se resolveu falar: “Bem! – disse-me - já que é nossa determinação continuar insistindo nessa loucura, quero te fazer um pedido”. Olhou-me fixamente: ”Quero que me deixe te chamar, a partir de agora, Harold”! Achei estranho o pedido, mas não ousei questioná-la! Depois, acrescentou: ”Quanto a vc, quero que me chames, desde logo, Maude!” Foi nesse instante que “a ficha caiu”! Esta era a primeira das muitas vezes que seria presenteado com uma “pitada” de suas irreverências. Seus pedidos eram, na verdade, uma alusão irônica aos personagens do filme Harold & Maude, de 1971, dirigido por Hal Ashby e lançado no Brasilcom o amável título de “Ensina-me a Viver”, um filme que mistura “drama existencialista” com doses cavalares de “humor negro”, protagonizado por um adolescente inexperiente e uma anciã inconsequente. Desatamos a ri nos imaginando fôssemos os personagens vividos, eu, pelo Bud Cort, e ela, pela magnífica Ruth Gordon!

* Advogado, escritor e memorialista, conta histórias que viu ou ouviu sobre nosso estado, nossa cidade e do bairro em que nasceu e reside: o Santa Bárbara. e-mail: [email protected]       

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Hugo Evangelista

‘SEU’ CALIXTO – UM MODESTO TESTEMUNHO - Por  Hugo Evangelista

‘SEU’ CALIXTO – UM MODESTO TESTEMUNHO - Por Hugo Evangelista

‘SEU’ CALIXTO – UM MODESTO TESTEMUNHO Hugo Evangelista da Silva* O“bar do CALIXTO” é resultado da determinação conjunta de seus proprietários, o Sr. F

'Mãe' ESPERANÇA RITA

'Mãe' ESPERANÇA RITA

Hugo Evangelista da Silva* Oinventário criterioso que se faça acerca das mulheres que, por suas tantas qualidades, foram decisivas para a formação e c

O 'bar' da DEUSA

O 'bar' da DEUSA

  Hugo Evangelista da Silva*   O bar SERENO ou “bar da Deusa”, como popularmente chamado, era um misto de residência, de bar, de estância para muitas

Uma Questão de Interpretação!

Uma Questão de Interpretação!

  Hugo Evangelista da Silva*   Assisti, faz alguns dias, uma cena tão inusitada quanto hilária! Acabava de sair de um café com tapioca – o que faço pe