Porto Velho (RO) terça-feira, 2 de junho de 2020
×
Gente de Opinião

Silvio Persivo

Coronavírus: Google mostra que se reduziu em 71% as saídas para recreação dos brasileiros

É preciso ver que, como se trata de um relatório que engloba janeiro e fevereiro deve estar subestimando o impacto do isolamento


Coronavírus: Google mostra que se reduziu em 71% as saídas para recreação dos brasileiros  - Gente de Opinião

Nesta última sexta-feira (03), o Google divulgou um mapa de mobilidade especial, com dados de 131 países, durante a pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2). Com informações coletadas de forma anônima, com base no histórico de localização dos usuários, entre os dias 3 de janeiro e 6 de fevereiro deste ano, os relatórios incluem os números mais recentes, com aproximadamente dois a três dias de diferença. De acordo com a empresa: "Estes relatórios ficarão disponíveis por um tempo limitado, enquanto as autoridades de saúde entenderem que eles são úteis para parar a propagação da Covid-19". No Brasil, o documento mostra uma queda de 71% nas movimentações para recreação, que inclui locais como restaurantes, shopping centers, parques temáticos, museus, livrarias e cinemas, e de 70% na ida à parques naturais, praias, praças e jardins públicos.

Além disto, houve um aumento de 17% no número de pessoas que ficaram em casa no período em todo o país. A ida para supermercados, mercearias e farmácias apresentou uma queda de 35%, no país. Retração semelhante, de 34%, ocorreu na ida a locais de trabalho. Já o uso dos transportes públicos -dados de frequência em estações de transportes - foi de 62% na média nacional.  O Google revelou que a maior queda na circulação para recreação foi em Santa Catarina (-80%), depois Sergipe (-78%), Paraíba (-76%), Paraná e Rio Grande do Sul (-75%), Pernambuco e Rio Grande do Norte (-74%) e Rio de Janeiro e São Paulo (-72%). Os demais registraram índices entre -61% e -68%. As idas aos parques e às praias teve as maiores quedas em Santa Catarina (-84%), Alagoas (-79%), Sergipe (-77%), Rio Grande do Norte e Rio de Janeiro (-74%), Paraíba e Rio Grande do Sul (-73%), Pernambuco (-72%), Bahia, Ceará e São Paulo (-71%) e Paraná (-70%).Já a permanência em casa contabilizou os maiores aumentos no Distrito Federal, Rio Grande do Sul e Santa Catarina (20%), Rio Grande do Norte (19%), Piauí e Sergipe (18%), Alagoas, Bahia, Paraná, Paraíba, Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo (17%), Ceará e Espírito Santo (16%) e Goiás e Minas Gerais (15%).

Ora, como os setores relacionados ao turismo, viagens, mesmo interestaduais, e bares e restaurantes estão fechados, ou restritos ao funcionamento por entregas, com certeza, para o mês de março este relatório deve subestimar os efeitos do isolamento. 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Persivo

Coletiva do ranking ABAD/Nielsen destaca região norte e  os cinco maiores faturamentos de Rondônia no segmento

Coletiva do ranking ABAD/Nielsen destaca região norte e os cinco maiores faturamentos de Rondônia no segmento

A ABAD (Associação Brasileira de Atacadistas Distribuidores), que representa mais de quatro mil empresas de todo o Brasil, de um segmento que movime

As perspectivas depois da crise do coronavírus

As perspectivas depois da crise do coronavírus

Os setores mais ricos, aliados com a esquerda supostamente progressista, até por oposição à Bolsonaro, mas, sem nenhuma consideração pelas consequên

A crise do coronavírus e seus impactos na cultura

A crise do coronavírus e seus impactos na cultura

Um dos setores mais profundamente impactados pela crise do coronavírus foi o setor cultural, em especial a denominada economia criativa, a parte da

Nem as máscaras nos tornam iguais

Nem as máscaras nos tornam iguais

É verdade. Antes usar máscara era coisa de bandidos ou de heróis marginais, como Zorro, Fantasma ou Batman. Agora não. Para sair na rua ou entrar nu