Porto Velho (RO) terça-feira, 2 de junho de 2020
×
Gente de Opinião

Silvio Persivo

Uma tentativa de olhar além da crise do vírus


Uma tentativa de olhar além da crise do vírus - Gente de Opinião

Não apenas a mídia, como também as redes sociais, todas as pessoas, desejem, ou não, estão falando sobre o coronavírus e atentos para o que acontece no mundo, quem toma medidas melhores ou sofre mais com a crise. O que poucas pessoas fazem é pensar sobre o futuro pós-crise. O que encontraremos na frente depois de passado este período em que o medo, irracional, permeia, sem que as pessoas percebam, seu modo de pensar. Embora expressem, nas palavras, a preocupação com os outros, na verdade, são movidas pelo receio de uma morte horrível. Há um medo imenso e imperceptível, até por defesa própria, que vem da natureza humana: o medo que se tem de ter perdido o controle, de que não há defesa fácil contra o vírus.


No entanto, se pensarmos na vida depois da epidemia, com uma visão otimista, veremos que a crise nos obriga a ver, e  dar valor, a coisas que, normalmente, fazemos sem valorizar, como dar um aperto de mão, um abraço, jantar ou conviver com os amigos, seja num clube ou num boteco. Talvez, até diminua o hábito que temos de, até na convivência, dar mais atenção às telas de celulares ou tvs.


Quem diria, por exemplo, que sair de casa, até para um supermercado, é tão bom! Imagine ir a um evento, a um cinema, a uma livraria ou a um parque?

Até mesmo uma caminhada pelo bairro ou pelo centro, agora, ganha uma importância que não se sabia ter. O coronavírus também nos mostrou que o trabalho em casa funciona. E, muitos, até trabalharam mais do que nos seus locais de trabalho. Também aprendemos, à força, é verdade, que não lavamos as mãos direito. Pois é! Até lavar as mãos tem sua tecnologia. Mais do que todas essas coisas, porém, o coronavírus nos obriga a pensar na economia. Na quantidade de bens, serviços e dinheiro que precisamos para sobreviver. Há uma enorme quantidade de pessoas que, surpreendidas pelo vírus, não possuíam dinheiro suficiente para enfrentar a tempestade. Ficaram em uma situação muito difícil sem poder trabalhar, sem poder sustentar a família. Houve casos em que o chefe de família pirou e, depois, ajudado, chorando, disse ter pensado em suicídio. Quem tinha economias, ou um salário garantido durante a epidemia, tem uma enorme vantagem, um verdadeiro colchão de massagem, para enfrentar o estresse contra um assassino invisível que pode estar nos lugares menos imagináveis. Sem dúvida um dos comportamentos que deve se acentuar, pós-crise, deve ser o de buscarmos criar uma poupança maior, usar nosso dinheiro de uma forma que nos dê a certeza que não seremos pegos de calça-curta de novo. O duro é que, ainda estamos imersos nesta situação terrível, e quanto mais perdurar o isolamento, mais os problemas futuros da economia se acentuarão. E, hoje, com a falência de muitos negócios, e a demissão em massa, que está acontecendo, além dos riscos que corremos de desestabilização e de desabastecimento, não é de espantar que, até mesmo os chefes de estado, se recorra à religião. São tantas as preces e as orações que, de uma hora para outra, até os ateus estão apelando para Deus. É talvez, também, pós epidemia, o povo fique mais religioso. 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Persivo

Coletiva do ranking ABAD/Nielsen destaca região norte e  os cinco maiores faturamentos de Rondônia no segmento

Coletiva do ranking ABAD/Nielsen destaca região norte e os cinco maiores faturamentos de Rondônia no segmento

A ABAD (Associação Brasileira de Atacadistas Distribuidores), que representa mais de quatro mil empresas de todo o Brasil, de um segmento que movime

As perspectivas depois da crise do coronavírus

As perspectivas depois da crise do coronavírus

Os setores mais ricos, aliados com a esquerda supostamente progressista, até por oposição à Bolsonaro, mas, sem nenhuma consideração pelas consequên

A crise do coronavírus e seus impactos na cultura

A crise do coronavírus e seus impactos na cultura

Um dos setores mais profundamente impactados pela crise do coronavírus foi o setor cultural, em especial a denominada economia criativa, a parte da

Nem as máscaras nos tornam iguais

Nem as máscaras nos tornam iguais

É verdade. Antes usar máscara era coisa de bandidos ou de heróis marginais, como Zorro, Fantasma ou Batman. Agora não. Para sair na rua ou entrar nu